MENU

Como ajudar seus filhos a respeitar a igualdade de gênero online

Por que os estereótipos de gênero têm tanto impacto nos jovens? As crianças podem ser facilmente pressionadas a interagir com outras pessoas de maneiras pré-concebidas, com base nas normas criadas pela cultura da Internet. A psicóloga Dra. Linda Papadopoulos fornece conselhos para ajudar a lidar com esse problema com os jovens.

Como o mundo online molda as ideias dos jovens

O mundo online é uma parte essencial da vida dos jovens, um espaço de aprendizagem, momentos de inatividade e uma forma de se conectar com outras pessoas. As interações que as crianças experimentam e o conteúdo a que são expostas online podem desempenhar um papel importante na formação de suas ideias e pontos de vista sobre certos grupos de pessoas e, em última análise, impactar a maneira como tratam os outros.

Tenho trabalhado com Internet Matters e Samsung Electronics UK em O Projeto Juntos Online - uma nova ferramenta interativa para ajudar crianças e jovens a desenvolver suas habilidades de pensamento crítico, a fim de promover uma experiência digital positiva e inclusiva para todos. A primeira fase do projeto se concentra em ajudar crianças e jovens a desafiar os estereótipos de gênero que encontram online.

Qual é o impacto dos estereótipos de gênero online?

Números recentes no Cybersurvey de Youthworks and Internet Matters * mostram que mais de uma em cada 10 crianças com mais de 11 anos recebeu comentários sexistas online, aumentando para um em cada cinco para aquelas crianças que preferem não declarar seu gênero. Com um aumento no conteúdo prejudicial relacionado ao gênero e no abuso online, pode ser um desafio para crianças e jovens estabelecer opiniões e atitudes autônomas e imparciais sobre gêneros, diferenças e igualdade.

De jogos online a mídias sociais, crianças e jovens encontram estereótipos de gênero de várias maneiras. Um dos problemas nos últimos anos tem sido a maneira como as meninas são objetivadas online. Os meninos, por outro lado, tendem a ser hiper-masculinizados - esse preconceito de gênero pode impactar a maneira como os jovens interagem com os outros.

Pressão para se conformar aos estereótipos

As crianças podem ser facilmente pressionadas a interagir com outras pessoas de maneiras pré-concebidas, com base nas normas criadas pela cultura da Internet. Os jovens procuram o que significa ser: bom ou mau, bonito ou não bonito, inteligente ou burro. É provável que as crianças achem que precisam aderir a esses estereótipos ou questionem aqueles que não o fazem.

O fato de muito do que eles são expostos online ser visual significa que muitas dessas ideias complexas sobre como as pessoas se comportam ou se expressam online são destiladas em conceitos básicos e muitas vezes inúteis. Crianças e jovens de sexos diferentes sentem que precisam se conformar para ter um determinado tamanho e forma para ganhar popularidade e autoestima entre seus pares. Na verdade, estão se tornando caricaturas do que significa ser homem ou mulher para pertencer, independentemente de quão confortável isso seja. Em última análise, isso significa que a nuance em torno das discussões críticas que ajudam a criança a construir sua identidade se perde e, em vez disso, é substituída por indicadores simplistas e muitas vezes restritivos de feminilidade e masculinidade.

Importância da inclusão e aceitação

Se crianças e jovens sentem que precisam se limitar a um estereótipo específico que vêem online com base em ideais muito restritos, isso afetará não apenas sua imagem corporal, mas sua confiança e auto-estima geral. Quanto mais criticamente as crianças forem capazes de avaliar, aceitar e valorizar as imagens que lhes são apresentadas, menos provavelmente sentirão pressão para aderir a elas e mais receptivas e gentis serão com os outros.

Falar aos jovens sobre a importância de ouvir os outros sem preconceitos, ser receptivo a novas ideias e estar aberto ao que eles encontram on-line é a chave para ajudá-los a ser tolerantes com novos pontos de vista e ideias.

Para ajudar crianças e jovens a compreender a forma como pensam sobre estereótipos de gênero, discriminação e conteúdo sexual e / ou violento, aqui estão cinco dicas para apoiá-los.

5 dicas para apoiar crianças e jovens

1. Seja aberto e transparente em suas conversas sobre o assunto

As plataformas online podem apresentar padrões inatingíveis, onde crianças e jovens acreditam que devem se conformar a um determinado comportamento ou ter uma certa aparência online para serem aceitos. Crianças e jovens precisam ser capazes de falar abertamente sobre o que vivenciam online, para que possam compreender os estereótipos de gênero e como identificá-los em espaços online. Se você não tiver certeza ou se sentir desconfortável com o assunto, faça sua própria pesquisa para poder apoiar melhor uma criança em uma conversa aberta e transparente.

2. Discuta o impacto dos estereótipos de gênero online

Os estereótipos de gênero podem promover atitudes doentias e antiquadas que não permitem diferentes expressões de si mesmo. As crianças e os jovens podem acreditar que precisam de uma certa maneira de se encaixar na caixa de 'menina' ou 'menino' e esses estereótipos de gênero podem pressioná-los ainda mais a agir de forma prejudicial a si mesmos e aos outros. Alguns estereótipos de gênero podem levar crianças e jovens a ter imagens corporais negativas ou até mesmo a se machucar. Uma discussão aberta e transparente para combater esses estereótipos e promover uma imagem corporal positiva é crucial.

3. Explique como ser um defensor e quando é seguro fazê-lo

Quer o comportamento prejudicial seja bullying, assédio ou desigualdade de gênero, as crianças e os jovens podem oferecer apoio como defensores ao agir, quando for seguro fazê-lo. Eles podem ajudar a impedir o comportamento prejudicial, mudando o foco, alertando a pessoa sobre suas ações prejudiciais e bloqueando ou relatando-as se necessário, apoiando a vítima, deixando a situação online (e agindo mais tarde) ou pedindo ajuda de um adulto ou mentor de confiança.

4. Incentive-os a respeitar as diferenças e celebrar a exclusividade online

Assim que as crianças tiverem idade suficiente para se envolver online, elas devem ser incentivadas a saber que têm o direito de se sentir seguras e respeitadas online, bem como a responsabilidade de respeitar os outros. Você pode ensinar resiliência digital e fornecer estratégias para mostrar respeito online a todos, incluindo outras pessoas que são diferentes ou únicas. Estratégias adequadas à idade para as crianças adotarem caso sejam expostas ou testemunhem comportamento prejudicial online também são úteis para orientar as crianças a agirem como cidadãos responsáveis.

5. Continue a conversa e seu apoio

Depois de começar a ter conversas com crianças e jovens, faça o possível para mantê-las e oferecer oportunidades para que discutam quaisquer dúvidas ou preocupações que tenham. A melhor abordagem é começar cedo e ter conversas regulares, usando uma linguagem adequada à idade para a situação.

Aqui estão alguns exemplos de exemplos de iniciadores de conversa. Sinta-se à vontade para se adaptar à idade e ao nível de maturidade de uma criança. Após cada afirmação, tenha uma conversa aberta e transparente com eles sobre o respeito às diferenças e a aceitação das pessoas como são.

  • "Isso é um menino ou uma menina?"
  • “As meninas são bailarinas e os meninos são soldados.”
  • “Os meninos são mais espertos do que qualquer outro gênero”
  • “Os meninos não são tão legais quanto as meninas.”

Como pai / mãe ou adulto de confiança que trabalha com jovens, você é capaz de demonstrar empatia e compreensão, o que ajudará as crianças a compreender a igualdade de gênero em seus espaços online. Seu apoio em conversas sobre igualdade de gênero ajudará crianças e jovens a respeitar as diferenças e a singularidade online.

Ferramenta interativa documento

Incentive seus filhos a experimentarem a ferramenta para aprender mais sobre estereótipos de gênero

Clique para lançar a ferramenta

Postagens recentes

Rolar para cima