MENU

Apoiar a imagem corporal das crianças no mundo online

Converse com seu filho se você acha que o uso on-line afeta sua imagem corporal

Embora apenas uma pequena minoria de crianças sofra de distúrbios alimentares clinicamente diagnosticáveis, muitas mais lutam com a imagem corporal negativa e, portanto, há uma preocupação crescente com o impacto do mundo online na imagem corporal.

O impacto do mundo online na imagem corporal

Conversamos com nossa embaixadora, Dra Linda Papadopoulos, sobre o impacto do mundo online na imagem corporal dos jovens e o que os pais e responsáveis ​​podem fazer para ajudar.

O mundo online oferece às crianças e famílias uma ampla gama de benefícios. Ele oferece oportunidades para aprender, criar, brincar e se conectar com a família e amigos. No entanto, também pode apresentar riscos ao bem-estar das crianças, incluindo sua imagem corporal. Por meio da tecnologia conectada, os jovens estão se envolvendo mais de perto e com mais frequência com suas próprias imagens do que nunca.

Psicólogo Dra Linda Papadopoulos destaca que crianças com imagem corporal ruim têm pensamentos negativos mais fortes sobre sua aparência:

  • Seja tirando várias fotos ou usando filtros para adaptar sua aparência, a enorme quantidade de tempo que as crianças passam olhando fotos de si mesmas on-line pode alimentar uma imagem corporal negativa.
  • A prática comum de amigos e estranhos "curtir" imagens pode levar as crianças a se tornarem excessivamente dependentes desse tipo de feedback para a autoestima.
  • Imagens on-line podem refletir padrões de beleza irreais e algoritmos podem resultar em feeds sociais de jovens em espiral em direção a conteúdo mais extremo (como conteúdo que promove comportamento associado à anorexia e bulimia).

Como a imagem corporal pode impactar a vida dos jovens

Isso não significa que os pais devem se preocupar sempre que virem seus filhos tirando uma selfie ou se filmando com os amigos. A Dra. Linda explica que é saudável e natural que os jovens estejam atentos à sua aparência. Aprendemos rapidamente quando crianças que a forma como nos apresentamos aos outros pode ter efeitos no mundo real. Por exemplo, os bebês aprendem que sorrir para um adulto pode encorajá-los a fazer o que o bebê quer.

No entanto, precisamos nos preocupar se as crianças desenvolverem pensamentos negativos ou irracionais sobre o impacto de sua aparência. Pensamentos alimentados por uma imagem corporal ruim como “eu odeio minhas pernas” podem rapidamente se transformar em “eu odeio meu corpo” e depois “eu me odeio”. Esses pensamentos negativos podem se tornar tão rotineiros que podem ser difíceis para os jovens reconhecer ou parar. Em casos extremos, eles podem alimentar o desenvolvimento de transtornos alimentares, bem como outros problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade.

O que está sendo feito sobre esse assunto?

O próximo Lei de Segurança Online ajudará a enfrentar o impacto do mundo online na imagem corporal dos jovens. Isso exigirá que as empresas de tecnologia e as plataformas online façam mais para ajudar as crianças a aproveitar todos os benefícios que a tecnologia conectada oferece, reduzindo os riscos.

Recentemente, o governo reforçou o projeto de lei para que as empresas sejam responsabilizadas por conteúdos que incluam falsos conselhos alimentares e incentivem a automutilação grave. Embora este seja um passo positivo, é importante que o projeto de lei proteja as crianças de conteúdos menos extremos. Esse conteúdo ainda pode impactar negativamente sua imagem corporal e levar a problemas mais sérios posteriormente. Saiba mais em nosso resposta a um inquérito parlamentar sobre imagem corporal.

Como podemos os pais apoiar a imagem corporal das crianças

Levará algum tempo para que a Lei de Segurança Online se torne lei, mas mesmo assim, não resolverá todos os desafios que as crianças enfrentam online. Portanto, continua sendo mais importante do que nunca que os adultos de confiança ajudem as crianças a manter uma imagem corporal positiva online.

A Dra. Linda Papadopoulos diz que os pais e cuidadores podem desempenhar um papel fundamental no apoio às crianças. Incentive-os a refletir sobre suas atividades online e a pensar criticamente sobre o que veem. Ajude-os a fazer perguntas como “é assim que alguém realmente se parece”, “por que essa imagem está sendo usada” e “como essas imagens estão me fazendo sentir?”

Postagens recentes