MENU

Novo relatório da Ofcom revela porque as crianças passam mais tempo online

Relatório do Canal 5 mostrando os resultados do relatório do Ofcom com o conselho da nossa Embaixadora Dra Linda Papadopoulos

Como o tempo online das crianças atinge uma média de duas horas por dia, o Pesquisa Ofcom - Revelando a vida real na tela pequena: o que as crianças estão assistindo e por quê - explica as razões pelas quais os jovens são atraídos por serviços de vídeo como Netflix e YouTube.

O principal destino do YouTube para crianças

O YouTube continua sendo o principal destino on-line das crianças, com 80% usando-o. Quase metade (49%) das crianças e um terço (32%) dos pré-escolares com idade de 3-4 agora assistem a serviços de assinatura on-demand, como Netflix, Amazon Prime Video e Now TV.

Entre aqueles que assistem programas do YouTube e da TV em um aparelho de TV, quase a metade dos “tweens” com idades entre 8-11 e crianças mais velhas com 12-15 (49%) preferem assistir a conteúdo no YouTube. No entanto, mais de um terço obtém o mesmo prazer de ambas as experiências de visualização.

O que as crianças compartilharam sobre o tempo on-line

Para ajudar a entender por que as crianças são atraídas pelo conteúdo on-line, a Ofcom realizou um estudo com meninos e meninas da 40, com idade de 4-16, de todo o Reino Unido.

Eles ofereceram dados detalhados, diários de sete dias e entrevistas sobre o que estavam assistindo e por quê. O estudo revelou poderosas preferências por escolha, controle e senso de comunidade. Descobriu que:

  • O YouTube domina, seguido pelo Netflix. As crianças no estudo preferiram assistir ao YouTube (quase todas as crianças assistiram diariamente) e ao Netflix, a qualquer outra plataforma.
  • A TV ao vivo é liderada pelos pais e muitas vezes reservada para o tempo em família. A maioria das crianças do estudo assistia TV programada ao vivo, embora apenas um pequeno número o fizesse diariamente. A visualização de TV ao vivo era muitas vezes convocada pelos pais, permitindo que a família se reunisse para assistir a novelas, questionários ou 'consulta', como Strictly Come Dancing or O fator X. Algumas crianças usavam TV ao vivo para preencher o tempo, muitas vezes enquanto faziam outra coisa, como jantar.
  • Escolha e controle. Muitas crianças disseram que valorizavam o YouTube e a Netflix por oferecerem controle instantâneo sobre o que estão assistindo e acesso a conteúdo aparentemente interminável e personalizado. As crianças apreciaram as recomendações de conteúdo das plataformas e valorizaram o recebimento de notificações dos canais em que se inscreveram. Alguns preferiram assistir a conteúdo em particular, seja em seus dispositivos pessoais ou em seus quartos.
  • As crianças recorrem ao YouTube por três coisas. O estudo constatou que a maioria das crianças que assistiram no YouTube caiu em três grandes categorias:

Hobbies e paixões. Muitas crianças assistiram a vídeos relacionados a seus interesses off-line, como tutoriais para promover a paixão pela música ou pelo futebol. Alguns experimentaram gratificações semelhantes observando outros participantes em atividades práticas - como artes e artesanato, ou praticando esportes - na medida em que disseram que não participavam mais dessas atividades no "mundo real".

Vloggers e comunidade. Muitas crianças assistiram a vloggers ou YouTubers, muitas vezes conectando-se a elas por meio de uma paixão compartilhada, como esportes ou artesanato, e aproveitando o fato de se tornarem parte de sua comunidade de seguidores. Muitas das crianças disseram que olhavam para seus vloggers favoritos como modelos ou as consideravam como um amigo que poderia fornecer apoio ou aconselhamento. Esse tipo de conteúdo também atraía a curiosidade natural das crianças sobre a vida "normal" de outras pessoas; Eles sentiram que os vídeos tinham uma autenticidade que os tornava fáceis de se relacionar.

Vídeos sensoriais. Muitas crianças gostaram de vídeos que incluíam ruídos "satisfatórios" - como outras pessoas fazendo e jogando com lodo, ou abrindo presentes. Esses vídeos são descritos como "Resposta Meridiana Sensorial Autônoma" - devido à sua capacidade de gerar uma sensação de bem-estar e relaxamento entre algumas pessoas.

Rolar para cima