MENU

Explorando a relação entre crianças vulneráveis ​​e online

Nosso recém-lançado Refúgio e risco - Relatório de vida online para jovens vulneráveis, explora como crianças do Reino Unido com alguma forma de vulnerabilidade mostram como o mundo online se tornou sua tábua de salvação.

Como parte do Youthworks, mais de 6,500 crianças no Reino Unido com alguma forma de vulnerabilidade mostram que o mundo on-line se tornou sua tábua de salvação - embora algumas tenham até sete vezes mais probabilidade de enfrentar perigos específicos na Internet do que seus colegas não vulneráveis. Este relatório é da Youthworks e da Kingston University, em parceria com a Internet Matters - pede uma série de mudanças urgentes na forma como crianças vulneráveis ​​recebem apoio, incluindo uma abordagem que considera sua vulnerabilidade offline e pais e profissionais sendo incentivados a pensar de forma diferente sobre online conselhos de segurança para adolescentes.

* De uma amostra de 14,449 jovens de 11 a 17 anos, dos quais 6,500 se identificaram como tendo um ou mais dos cinco tipos de vulnerabilidade.

Devemos proteger os dois milhões de crianças vulneráveis ​​do Reino Unido de danos online

Precisamos colocar um foco maior em como o Reino Unido apóia crianças vulneráveis, pois um novo estudo revela que algumas podem estar até SETE VEZES mais em risco no mundo digital do que aqueles sem vulnerabilidades.

A Relatório de refúgio e risco mostraram que enfrentam muitos e variados tipos de riscos online. Embora suas vulnerabilidades os tornem mais propensos a enfrentar riscos do que adolescentes não vulneráveis, ficar sem acesso digital também pode ser problemático. Se forem prejudicados e ficarem com medo de ficar online, ou tiverem seu dispositivo retirado, eles perdem oportunidades de se conectar e se desenvolver socialmente, interagindo com outras pessoas sem qualquer rótulo de vulnerabilidade.

Como resultado, hoje estamos clamando por uma nova abordagem para apoiar jovens vulneráveis, para que suas vidas online sejam totalmente consideradas em sua educação e cuidados.

Fatos e estatísticas

O estudo - parte de um programa de pesquisa em andamento - revela que, em comparação com adolescentes sem vulnerabilidades, aqueles com três ou mais vulnerabilidades são:

  • Quatro vezes mais probabilidade de experimentar riscos de agressão cibernética, incluindo cyberbullying ou comentários racistas / homofóbicos e insultos (40% vs 11%)
  • Três vezes mais probabilidade de sofrer ciberscan (14% vs 5%)
  • Quase três vezes mais probabilidade de ver conteúdo prejudicial, como pró-anorexia, automutilação ou falar sobre suicídio, do que seus colegas não vulneráveis. (40% vs 15%)

Jovens com distúrbios alimentares correm maior risco

O relatório também descobriu que aqueles com transtornos alimentares correm maior risco, de várias maneiras, com quase um terço (% 31) ter visto conteúdo sobre suicídio "frequentemente" em contraste com 4% dos jovens sem vulnerabilidades. Pessoas com transtornos alimentares também costumam dizer: 'alguém online tentou me persuadir a fazer uma atividade sexual que eu não queria' com 43% já experimentaram isso, dos quais 23% disseram que acontecia "frequentemente", em comparação com 3% de seus pares sem vulnerabilidades.

Adolescentes com transtornos alimentares eram sete vezes mais propensos a dizer que 'frequentemente' tiveram uma imagem nua compartilhada em vingança por um ex-parceiro após um rompimento (15% contra 2% para adolescentes não vulneráveis).

Este grupo também era o mais propenso a sofrer cyberbullying entre todos os grupos vulneráveis (% 48) e relatou muitos sinais de compulsão, com quase metade (% 46) ficando 'irritado e ansioso' sem o telefone. Isso estava em contraste com 15% de adolescentes não vulneráveis.

Jovens experientes em cuidados

Descobriu-se que adolescentes experientes em cuidados foram sujeitos a intensa ciberagressão - quase três em cada 10 (29%) receberam mensagens ameaçando prejudicá-los ou a suas famílias, em comparação com apenas 9% dos adolescentes não vulneráveis. Um terceiro já havia caído em um golpe online e um em cada seis (16%) disse que isso acontecia "frequentemente" - em comparação com 2% de adolescentes não vulneráveis.

Embora o risco de danos online seja claro, o relatório destaca a importância da conectividade, habilidades sociais e desenvolvimento para jovens vulneráveis. Para eles, o acesso digital é uma porta de entrada para 'ser como todo mundo'.

Jovens autistas

Quase nove de 10 (86%) adolescentes autistas e 82% dos adolescentes com dificuldades de aprendizagem disseram que "a internet" abre muitas possibilidades para mim "em comparação com 62% de crianças sem deficiência. Como resultado do relatório, recomendamos que as crianças sejam questionadas rotineiramente sobre suas vidas online por adultos que cuidam delas e que essas conversas sejam significativas, o que exigirá treinamento, recursos e investimento.

Ele exige que profissionais da educação e adultos que cuidam de crianças vulneráveis ​​sejam atualizados com um treinamento de segurança on-line significativo, evitando uma estratégia única para todos.

Considerações finais

Carolyn Bunting, CEO da Internet Matters, disse: “A pesquisa mostra que crianças com vulnerabilidades dependem significativamente de seus dispositivos conectados para comunicação, entretenimento e suporte. O impulso dos pais de protegê-los impedindo-os de entrar na Internet não é a resposta, pois isso pode levar a um golpe duplo para a criança, tirando uma parte importante de sua vida pessoal e social, na qual confiam profundamente.

Em vez disso, precisamos criar uma cultura em que jovens vulneráveis ​​sejam rotineiramente questionados sobre suas vidas online para que possam continuar engajados, mas com segurança. A educação de segurança online oferecida atualmente não funciona para crianças vulneráveis ​​- e agora temos os dados para permitir que conversas significativas ocorram entre elas e adultos de confiança.

Queremos trabalhar em conjunto com pais, responsáveis, profissionais da educação e empresas de tecnologia para garantir que o treinamento e os recursos sejam atualizados. ”

Adrienne Katz, diretora da Youthworks, co-autora do relatório com Aiman ​​El Asam, da Kingston University de Londres, disse: “Este relatório realmente destaca o quanto o mundo online oferece refúgio e risco para as crianças mais vulneráveis ​​em nossa sociedade.

É claro que eles dependem disso, escapam para dentro dele e ficam profundamente feridos ou prejudicados quando as coisas dão errado. Portanto, é de suma importância que procuremos maneiras significativas de tornar a experiência muito mais segura para eles.

Devemos revisar urgentemente o treinamento e os recursos que cercam os jovens vulneráveis ​​e abandonar uma abordagem de tamanho único. ”

Leia o relatório completo aqui.

Relatório de crianças vulneráveis lâmpada

Destacando os riscos online que as crianças vulneráveis ​​podem enfrentar e o apoio de que precisam.

Ver relatório
Rolar para cima