MENU

Entendendo o impacto do sexting na mente de uma criança

  • Atribuição de imagem: Patrick Nygren e Hey Paul Studios sob licença Creative Commons

Catherine Knibbs explica a psicologia por trás do uso crescente de sexting entre os jovens e dá dicas sobre o que os pais podem fazer para ajudar seus filhos.

Você se lembra de seus dias de escola quando a última tendência (geralmente visíveis como bolsas, treinadores ou cortes de cabelo) significava que você se sentia como se pertencesse? Como uma explicação altamente simplista, isso é o que alguns dos meus clientes em terapia explicaram "sexting" é para eles.

No entanto, do ponto de vista psicológico e neurológico, parece ser mais complicado do que isso. Crianças que entram na adolescência; (em torno de 12 anos de idade) tem uma série de mudanças que ocorrem em seus cérebros. Começam a desenvolver uma identidade, afastam-se dos pais e dos colegas e começam a desenvolver-se sexualmente (puberdade).

Crianças de idade começam a experimentar novos comportamentos

Durante esta fase que dura de 12 a 25 anos de idade, os jovens começam a experimentar quem são. Ao entrarem em relacionamentos amorosos e sexuais, eles 'experimentam' novos comportamentos. Esta é a idade mais comum para "sexting" no literatura de pesquisa. Isso não quer dizer que as crianças mais jovens não participam desse comportamento, as razões para fazê-lo são diferentes de uma perspectiva cognitiva (pensamento).

Como os avanços tecnológicos mudaram a forma como as crianças 'experimentam' novos comportamentos

Como agora temos uma tecnologia que possibilita esse "experimentar" novos comportamentos sem as complexas complexidades da comunicação não-verbal, os jovens às vezes cometem erros de julgamento ou assumem riscos com base em algo chamado pensamento hiper-racional.

Por exemplo, se alguém parece enojado por algo que estamos fazendo, geralmente interrompemos o comportamento que estamos adotando e tentamos outra coisa. Porém, se não conseguirmos ver a outra pessoa e “arriscarmos” ao enviar uma foto, só poderemos usar a informação e o feedback após o evento.

Infelizmente, é nesse momento que o “sexting” pode dar errado para o jovem que envia a mensagem, em vários níveis. Assim que a imagem for recebida, a criança aguardará com ansiedade pela resposta e é esse processo que pode fornecer um impulso de uma substância química chamada dopamina, que é a substância “recompensa” e nos faz sentir bem com o que acabamos de fazer. Também nos motiva a repetir ou fazer algo mais arriscado.

Impacto do sexting no cérebro

desenho cerebral

Se a criança obtiver uma resposta positiva, esse processo ficará registrado no cérebro. Armados com o conhecimento de que o sexting é ilegal (é produzir e distribuir pornografia infantil), os jovens ainda podem correr o risco de receber dopamina e receber uma resposta positiva (todos gostamos de elogios).

E se a pessoa que recebeu a imagem responder com um sentimento ou comentário de desgosto? Bem, só por um momento, pense no tempo que você usou uma peça de roupa / maquiagem que seus amigos ou familiares riram ou zombaram? Repulsa em uma pessoa tende a produzir vergonha na outra.

Este processo tem um efeito neurológico e tóxico no cérebro em desenvolvimento. Tem um efeito tóxico sobre a pessoa e isso pode se transformar rapidamente em sentimentos de baixa auto-estima, a ponto de a vítima tentar se livrar da vergonha de várias maneiras.

Muitas vezes vejo comportamento autodestrutivo e de alto risco em adolescentes que estão apresentando experiências vergonhosas dessa natureza.

Se essas imagens são compartilhadas com outras pessoas e o grau de repugnância aumenta, então o mesmo acontece com o impacto da vergonha para a vítima. É por isso que muitas vítimas não falam sobre esse assunto.

O que podemos fazer como pais?

Podemos tentar pensar na nossa adolescência (sei que você pode ter lembranças vagas) e tentar lembrar como foi difícil se encaixar, ser amado e aceito. Os jovens estão atualmente experimentando comportamentos sexualizados de maneira semelhante a qualquer adolescente de qualquer geração.

A tecnologia disponível agora torna isso mais acessível para experimentar. No entanto, a intenção por trás do sexting pode ser percebida como diferente, pois não há os mesmos inibidores naturais que as situações sociais produzem.

Quando você se senta com seu filho que pode ser uma vítima (fotos compartilhadas) ou aqueles que são criminalizados por esse comportamento (produzindo imagens), talvez precisemos ter uma visão mais compassiva sobre o impacto do envio de uma imagem íntima a um clique de um botão podem ter. Sua conexão e aceitação para seu filho é o fator mais importante para ajudar a reduzir o impacto desse problema.

Rolar para cima